Nova e Velha política no Brasil

As políticas públicas propostas por Aécio são progressistas e vão, depois de um ajuste, permitir que o país progrida econômica e socialmente, abrindo mercados externos, melhorando condições internas de investimento e inovação, sem descuidar de programas sociais que, pelo que entendi, privilegiarão a capacitação da mão-de-obra, vulgo educação.

Mas há uma volta sim ao passado, como acusa Dilma. E é por essa volta explicada claramente na propaganda do PSDB e nas falas do candidato que Aécio passou para o segundo turno e Marina não. Há uma volta à velha política de acordos costurados pelo diálogo feito no interior de partidos e de instituições.

O Brasil cansou de acordos feitos sigilosa e monetariamente, mesmo que com a melhor das boas intenções, como tinha o presidente do PT, José Genoíno. Essa era a nova política proposta por Lula, por Dirceu, e é essa nova política, fora das instituições, fora da visão (e a política mesmo que tenha os seus conchavos deve ser essencialmente feita à luz do dia), que foi derrotada.

O Brasil quer a velha política: congresso funcionando, imprensa livre, políticos fazendo política. É estranho isso, mas o Brasil quer a democracia, essa novela interminável, às vezes com imensas barrigas onde parece não acontecer nada, às vezes com boas interpretações, mas sempre no mesmo horário, previsível, acompanhando a sociedade e sendo por ela acompanhada. Hoje estou inspirada.

O Brasil disse não à nova política. Marina, obviamente, quando falou em “nova política” tinha em mente a rejeição de algumas práticas tattistas, dirceístas, danielistas, delubistas. Mas não ficou tão claro para o eleitor que ela queria voltar ao nosso passado de Ulysses, Tancredo, Covas. O resgate não ficou claro e os votos minguaram. É essa, entretanto, a grande questão da eleição: nova e velha política. O Brasil quer a velha, pois é ela que nos tirou de buracos fundos e é ela que nos alçou a grandes vôos.

Não queremos reescrever a história, precisamos da história nacional tal como é, com seus erros que não queremos repetir e heroísmos que esperamos estar prontos para retomar. Mesmo a classe política, que não nos orgulha tanto, já estava cansada da nova política de malas. É melhor vencer pelo diálogo e pela artimanha, assim como é melhor passar na prova pelo estudo e pela esperteza. Dada a oportunidade, estão aderindor à candidatura de Aécio, com alívio.

Nesse sentido, ainda que não como administrador público, Aécio é conservador: quer conservar a democracia, o sistema partidário e o legislativo livre. Eu também quero, pois esse sistema é melhor. Quanto aos novos meios de comunicação, de que sou entusiasta, eles têm seu papel nessa velha política, um papel muito definido: ajudar nesse processo político, dando vitalidade ao legislativo e transparência ao executivo. O papel é meramente funcional, instrumental.

Pois a democracia precisa, a cada geração, ser atualizada. Mas nunca substituída por nada de modo algum jamais, como se tentou fazer no Brasil dos anos 2000.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s