Ética Judaica

Acho que eu deveria ser rabina, pois adoro narrar histórias e tirar daí lições de moral. Mas sou apenas blogueira, então lá vai.

Quem conheceu meus pais sabe de sua pouca familiaridade com os textos sagrados e preceitos religiosos. Passaram a vida estudando outras coisas, vivendo outras coisas. Acho que meu pai era ateu, mas não tenho certeza pois nunca falamos de Deus em casa. Sou atéia por “default”, ou seja, vim da fábrica assim. Se Deus não era nunca mencionado como explicação de nada ou fonte de sabedoria ou inspiração, então era porque ele não existia e falávamos a palavra, “Deus”, como falávamos “Nossa!”, ou “meu!” ou “caramba!”: interjeições que se referiam obliquamente a uma religião ou outra, a um tempo ou lugar.

Mas até mesmo por estarmos numa família, digamos, religiosamente parcimoniosa, o que era dito tinha minha atenção completa.

Minha mãe dizia rindo, irônica, que as mulheres não tinham que usar a kipá pois estavam aí visíveis os homens que lhes eram superiores. Na risada havia uma crítica, mas na frase uma verdade. Era assim. O mundo era assim.

Também dizia que não se devia levantar falso testemunho, o que devia ser distinto de fofoca, pois fofoca se praticava em casa. Então vi que falso testemunho devia ser algo grave, com consequências. E que pelo Talmud não se devia cometer plágio, o que me indicava que uma idéia tem a consistência a um objeto: não deve ser roubada.

E essas coisas ficaram gravadas.

Meu pai, menos religioso ainda, que vi poucas vezes numa sinagoga, dizia simplesmente que “judeu não bate em mulher”. Ele não era de dogmas, mas nessa frase havia todos os dogmas que você pode imaginar. A definição sem poréns do que fosse judeu, a idéia que judeus têm comportamentos padrões, a idéia, enfim, que judeu não bate em mulher, normativa ou descritiva.

Mas não era uma idéia apenas. Era uma prática. Uma vez, no meio de uma briga, minha mãe partiu para cima de meu pai. Antes que ela o alcançasse, ele segurou seus pulsos no ar. Mas minha mãe era forte e as mãos poderiam alcançar seu rosto; meu pai desviava a cara a cada golpe, e assim foi essa briga tão teatral. Teatral pela intensidade e pelo jogo, pois não houve pontapés, nada que de fato pudesse machucar meu pai. Mas não importa. O que importa é o ato de segurar os pulsos longe da cara, que me fascinou.

Se meu pai revidasse, ele se daria mal: perderia ou o dogma, e mesmo o mais iconoclasta dos seres humanos precisa de suas certezas, ou a identidade não como judeu, mas como homem, e talvez como pessoa também. Pois judeu era seu jeito de ser gente, e se judeu não bate em mulher e ele bateria, então é porque não era gente. Por isso ele arriscava um soco na cara, um óculos quebrado, algo assim. Não era altruísmo.

Os homens são superiores às mulheres, e judeu não bate em mulher. Para mim, os dois dogmas se misturaram. Se você estiver por cima, apenas segure os pulsos de quem te bate.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s