A Ajax e a Texas Instruments

Então amanhã meu pai faria 83 anos, que não é um número redondo mas não deixa de ser uma data. E eu estou aqui numa universidade nos arredores de Toronto para falar com dois professores, entre prédios bem feios mas também bem distribuídos num campus espalhado mas nem tanto que não dê para andar a pé.

E lembrei que depois de meu pai vir aos Estados Unidos em 1977 ele foi demitido da Ajax. Quando foi isso, 77 mesmo? 78? Não sei, era criança. Acho que 79. Só lembro que as coisas estavam relacionadas pois na época da demissão meu pai notava rancoroso: “Eu fui pros Estados Unidos trazer o que havia de moderno, ver se salvava a Ajax, e eles me mandam embora?” Às vezes a Ajax não quer ser salva, eu poderia ter dito, mas era criança e a idéia só me viria à cabeça 40 anos depois.

Nos anos 70 não havia internet e além disso os militares haviam fechado o país, política e economicamente. Então para trazer algo só mesmo indo lá e vendo e pegando. Quando nos anos 90 surgiram aquelas bancas de jornal com centenas de revistas nacionais e estrangeiras na Avenida Paulista eu me surpreendi, pois antes não havia. Nos anos 80 era difícil encontrar revista de natação americana, por exemplo. Os oclinhos canadense então eram uma espécie de preciosidade.

A Ajax está relacionada com aqueles militares bandidos e ladrões de vários modos. O primeiro é que ela foi pressionada a pegar empréstimos que, descontada a taxa de corrupção, e o exagero da expansão, não pôde pagar. As empresas de papel e celulose conseguiram, provavelmente com muito suor para obter eficiência e contando com um mercado global para o produto. O segundo é que na hora da venda dos caixilhos de alumínio, para a Petrobrás e outras empresas geridas pelo governo, havia uma segunda taxa de corrupção.

E a Ajax faliu.

Com a falência da Ajax, faliu um certo projeto do meu pai, não sei se o melhor de sua vida. O do sucesso financeiro e, por não saber lidar com isso, do casamento. Não compreendo por que meu pai investiu tanto nisso, pois o homem que os amigos conheceram antes da Ajax e que eu conheci depois era indiferente ao dinheiro. Só queria a realização profissional e artística, só queria o seu studio, exposições e alunos. Jogava na loteria e aquele era o esforço que fazia.

Mas, de qualquer modo, era a Ajax que ele queria salvar, trazendo idéias e produtos dos Estados Unidos. Trouxe também histórias, trouxe slides infindáveis, trouxe a paixão por Nova York que herdei e trouxe uma calculadora Texas Instruments que quase ali causou um divórcio, pois minha mãe havia pedido uma HP.

(E entre parênteses, pois a história não é sobre isso, noto que aquele casamento tinha coisas um pouco inusitadas, pois não é comum que se magoe uma mulher trazendo a calculadora errada. Não está nos romances, nos filmes, nas interpretações oníricas de Freud. Só na minha casa vi a cena de uma mulher ferida por terem lhe trazido uma Texas Instruments. “Mas Rosa, a que você pediu eu não encontrei, eu teria que encomendar e teria chegado depois de eu voltar para o Brasil!”)

Ao final, o ódio de um tal Felmanas, dono da Ajax, que de acordo com meu pai era roubado por um genro ou não, com um sobrenome que começava ou não com um “b”, que o Felmanas sabia que o roubava mas se resignava dizendo: “É o preço que eu pago.” E esse preço talvez fosse pela contabilidade da empresa ser tão caótica naqueles anos militares que não se poderia fazer auditoria alguma. Um ódio terrível que depois passou.

E além disso essa amargura por ter trazido idéias inaproveitadas. E não era uma amargura pura, havia algo ali que talvez quem estude letras saiba categorizar melhor, uma coisa da tragédia talvez. Não sei. Tudo me encantava. Tudo me impressionava. Tudo tinha algo poético, belo, estudado. Entendo um pouco essas rixas antigas de família, nos rincões do planeta. Aos jovens encantam os dramas dos adultos, que lhes dão vontade de tomar parte.

A calculadora minha mãe usou até o final. Os slides ainda temos diante dos olhos, tlack-tlack, tlack-tlack. Não havia por que se amargurar, tudo foi trazido, tudo aproveitado. E então estou aqui, trazendo idéias, tentando salvar a Ajax. Amanhã meu aniversário, data redonda.

Anúncios

Uma resposta em “A Ajax e a Texas Instruments

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s