Sem uniforme

Afinal de contas, as Macabíadas são reconhecidas pelo COI ou não? No Google parece que sim, mas aí você abre a página e não encontra. Na Wikipedia a Maccabiah é artigo disputado. Ontem já em clima de fim de festa. As histórias dos jovens nas noitadas inspirariam uns bons “Masss como…?” na minha avó. Os nadadores americanos voltaram aos treinos, mesmo a competição já tendo terminado na quinta – nós também éramos assim, precisávamos nadar de qualquer jeito.

Também eu fui nadar ontem, e me despedir dos australianos. Tive uma grata surpresa. Finalmente alguém me perguntou: “Escuta, e São Paulo?” Acabei dirigindo pela cidade toda, algo impensável em qualquer outro dia do ano, ou mesmo da década. Tinha que ter sido domingo, primeiro do ano, e chovendo, para poder fazer de carro tranquilamente Gabriel, Oscar Freire, Augusta, Paulista, Vergueiro, Liberdade, João Mendes, Pátio do Colégio, São Bento, Viaduto do Chá, Municipal, São João, República, Arouche, Augusta, Avanhandava, parada para café e Beth El, Maria Antônia, Higienópolis, Vilaboim, Estádio, Rebouças. Tudo com direito a explicações várias, históricas, sociais e urbanísticas.

Será que foi porque fui sem crachá nem camiseta amarela? Será que foi porque “saí” de 1983? Não sei mesmo. Me garantiram: muitos dos visitantes têm perguntas, queríamos ver a cidade, mas não sabíamos a quem recorrer. Eu também aprendi sobre a África do Sul e a Austrália, países sobre os quais leio muito pouco. (Ainda pensando na minha avó, são muito longe. Ela me recomendou ir estudar em Nova York ao invés de Londres “pois é mais perto”. E não é que é mesmo? Novamente, me interesso por essa sociologia familiar, sem muitos conceitos, apenas com receitas para navegar no mundo global.) Existe uma imigração da África do Sul para a Austrália; os sul-africanos se ressentem um pouco dela; a maioria dos brancos presos durante o Apartheid eram judeus; muitos sul-africanos foram enviados a Angola, e o exército era obrigatório; enfim, houve alguma troca.

À noite, petiscos na Vila Madalena quase fechada, só aquela esquina central da Aspiculta aberta. São Paulo com jeito de ficção científica, abandonada, chuvosa, fria, interessante.

E la nave va.

 

Anúncios

2 respostas em “Sem uniforme

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s