Reitora da USP acusada de plágio?!?

Veja a matéria da Folha.

O plágio está presente em nosso cotidiano como educadores. Como não dou provas em sala de aula, apenas exercícios ao longo do curso e um trabalho final com pesquisa empírica, tudo para ser postado no Moodle, sempre há a possibilidade de que os alunos catem coisas na internet e postem no site como se fossem suas.

É uma pequena minoria que usa do recurso. A maioria, quando você explica o que quer e dá as condições para que aquilo seja feito, confia no próprio taco e apresenta textos de autoria própria, que me enriquecem pela qualidade e os enriquecem por terem aprendido que podem realizar uma pesquisa do começo ao fim.

E a minoria, o que a gente faz? Dá zero no exercício para mostrar a gravidade da coisa, e reprova se for no trabalho final. Ou seja, há um tempo de aprendizado das normas – nunca reprovei ninguém por plágio em exercícios ao longo do curso. Mas uma vez aprendidas, então a gente tem que ter rigor, pois caso contrário o trabalho dos que realmente fizeram a pesquisa fica desvalorizado. Não que o plágio melhore o texto; não é isso. O texto plagiado é sempre confuso, deslocado, impróprio não apenas eticamente mas também conceitualmente.

Já dei segunda change em plágio no trabalho, já aconteceu. Era uma turma um pouco fraca, e houve muitos casos. Dei uma bronca solene, e a partir daí quem se mexeu para consertar o texto teve uma segunda avaliação. Um grupo não tinha feito um plágio “total”, ou seja, o trabalho empírico havia sido feito, com visitas a uma favela e conversas com jovens moradores a respeito de sua relação com o rap. O plágio tinha vindo na parte teórica, no resumo de autores vistos no curso. Um desses alunos, eu vim a saber depois, faleceu. Não sei o que houve, não consegui me informar, já estava longe. Recebi apenas um email informando, e às vezes penso nele com tristeza.

Bom, o caso da reitora: é gravíssimo. Garanto para vocês que não é fácil ser dura com o plágio. Alguns entendem, mas outros não e criam processos que se arrastam na burocracia acadêmica no caso das públicas, e podem causar a sua demissão no caso das privadas. Uma aluna minha ficou tão envergonhada quando a peguei que eu não consegui nem pronunciar a palavra plágio na conversa que tive com ela. Ela sabia que estava errada, e ficamos as duas envergonhadas, constrangidas. Mas não é sempre assim. Há as que não compreendem de modo algum o que mesmo há de errado com catar um texto da internet e botar seu nome embaixo. E meu trabalho?, me perguntou uma outra aluna, uma vez. Não conta? O trabalho de roubar.

Então o caso da reitora da maior universidade do Brasil é gravíssimo. Eu acho que merece um afastamento da função até o relatório da comissão de ética e a posterior punição, para evitar suspeita de ingerência da administração universitária nos trabalhos da comissão. O que ela roubou dos pesquisadores do Rio de Janeiro eu não sei; para isso é que há a comissão de ética. O que ela roubou de mim eu sei: entrou na minha sala de aula, e tirou de mim sem pedir licença nem nada mais um argumento contra o plágio. Ainda tenho muitos, entretanto, e vamos tocando com o que temos. Sem roubar.

 

Anúncios

3 respostas em “Reitora da USP acusada de plágio?!?

  1. Concordo que não dá para haver uma investigação acima de suspeita com a reitora no cargo. O caso de plágio na Física no ano passado não foi bem esclarecido, e ficou a impressão de que a reitoria tentou controlar a divulgação do relatório da comissão de ética. Além disso tem eleição para reitor nas próximas semanas e vários candidatos tem ligação com a reitoria – pode ficar a impressão de que o relatório do caso da reitora entrou como moeda de troca na briga por votos. A reitora precisa se afastar para evitar que o nome da universidade fique manchado. Mesmo que a investigação não indique responsabilidade pessoal da reitora, se ela estiver no cargo a investigação não terá credibilidade.

  2. em momento eleitoral, o uso politico de uma acusacao ainda não comprovada nao pode ser subestimado. se a reitora se afastar e a oposicao ganhar, é o processo eleitoral que não terá credibilidade.
    pra piorar, imagino que até a divulgação do relatório da comissao de etica, a eleicao já vai ter passado.
    em suma, as coisas podem ser um pouco mais complexas. ou não, claro. bzzz.
    abs
    sgold

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s